Inicio
Login Esqueci minha senha
Busca

Notícias Gastronomia

Tamanho do texto Imprimir
Gastronomia 06/04/2011

O vinho de 5000 mil anos


Pesquisadores acham restos de vinho medicinal com 5.000 anos no Egito


Bálsamo, menta e alecrim estão entre os possíveis condimentos na bebida. Povo dos faraós usava mistura para tratar diversos tipos de doenças.






Talvez antecipando a mania moderna de aderir ao vinho como bebida saudável, os antigos egípcios costumavam adicionar ervas medicinais à bebida como forma de tratar muitas doenças. Usando técnicas avançadas de análise química, pesquisadores americanos conseguiram flagrar as mais antigas evidências dessa prática médico-etílica. Jarros que foram enterrados com um rei por volta do ano 3150 a.C. trazem indícios da presença de vinho condimentado com vegetais como pinheiro, bálsamo, menta e alecrim, entre outras plantas consideradas curativas no antigo Egito.
 
As análises foram conduzidas por um trio de pesquisadores coordenado por Patrick McGovern, do Museu de Arqueologia e Antropologia da Universidade da Pensilvânia (EUA). McGovern e companhia analisaram duas amostras de antigos jarros egípcios. Um deles vem de Abidos, no curso médio do Nilo, e foi encontrado no túmulo do soberano conhecido como Escorpião I (um xará mais recente dele, o Escorpião II, inspirou o personagem Escorpião-Rei da série de filmes "A Múmia"). A outra amostra, bem mais recente, foi obtida na Núbia, no extremo sul do Egito, e data do período bizantino, entre os séculos IV e VI da Era Cristã.
 
Os egípcios antigos levavam um bocado a sério tanto a produção de vinho quanto o uso da bebida para fins medicinais. Jarras da época do faraó Amenófis III (por volta do ano 1350 a.C.), por exemplo, trazem inscrições com data de fabricação, local onde as uvas foram cultivadas, nome do produtor e indicações de qualidade. No lado do uso médico da bebida, uma das prescrições comuns para dores de estômago era a ingestão de vinho misturado com coentro e outros aditivos.
 
O curioso é que as plantas cuja presença foi provavelmente detectada pelos arqueólogos não são nativas do Egito, mas foram trazidas do vale do rio Jordão, da região de Gaza e de outras áreas da Palestina. Por isso, é possível que os egípcios tenham importado a prática de seus vizinhos do Oriente Próximo.


Reinaldo José Lopes Do G1, em São Paulo
www.g1.com.br





Envie essa notícia para um amigo

Confira nossos destaques

  • Prato da Boa Lembrança do Oliver

    Adicionar legenda

    Leve uma lembrança depois de uma boa refeição. O Oliver é o único restaurante de Brasília que participa do Prato da Boa lembrança 2012.

  • Happy Hour com rodízio de Tapas no Parrilla Madrid

    Adicionar legenda

    Divirta-se en La Hora de Los Amigos com Rodízio de Tapas.

  • La Verace Pizza Napoletana

    Adicionar legenda

    Baco Pizzaria ganha selo de qualidade da Associazione Verace Pizza Napoletana

Necessária uma versão mais recente do Flash Player

Get Adobe Flash player

Agora no Twitter
  • 04.02.10 as duas horas as maes do meninos desaparecidos em luziânia estarao no plenario do senado.vou insistir necessidade açao do gov federal.
  • 04.02.10 as duas horas as maes do meninos desaparecidos em luziânia estarao
  • 04.02.10 as duas horas as maes do meninos desaparecidos em luziânia estarao no plenario do senado.
Siga a BomGastrononima no Twitter